in Portugese

 

 

 

 

************

Mensagem de vídeo a partir do Zapatistas

http://www.youtube.com/watch?v=rY-8CBt3Vkg

 

***********

“Nós não vamos deixar”, advertem os zapatistas diante do aumento das agressões

6 de setembro de 2012

No último mês têm aumentado as hostilidades contra as comunidades zapatistas. As terras recuperadas com o levante armado de 1994 encontram-se em uma disputa patrocinada pelo governoPor Gloria Muñoz Ramírez

Há exatamente nove anos, em agosto de 2003, as bases de apoio do EZLN [Exército Zapatista de Libertação Nacional] anunciaram a criação de 38 municípios autônomos sob controle rebelde. O processo da nova geografia do território zapatista havia começado 10 anos antes, em 19 de dezembro de 1994, data em que romperam o cerco militar e lançaram uma nova ofensiva política, tornando conhecida a demarcação autônoma de seu território. Desde então, 213 meses se passaram, quatro presidentes da república, quase cinco, e sete governadores, e em nenhum momento as comunidades que se atreveram a desafiar o Estado exigindo liberdade, democracia e justiça para todo México deixaram de ser agredidas, tanto pelo exército como por grupos paramilitares ou mesmo por programas governamentais contrainsurgentes e organizações amparadas pelo Estado.

No mês passado as agressões aumentaram, como toda vez que se encerram o sexênio de mandato presidencial federal e um período do governo estatal. As terras recuperadas pelos zapatistas com o levante armado de 1994 encontram-se em uma disputa induzida e patrocinada pelo governo, testamentos são comprados, oferecem-se territórios que não lhes pertencem e semeiam a discórdia do poder. Nada disso é novo para estas comunidades, que completarão 19 anos de resistência, mas não é por isso que estas hostilidades cotidianas contra seu projeto de vida deixam de ser graves e alarmantes.

Longe de se renderem ou deixarem intimidar, os zapatistas têm respondido através de denúncias recentes feitas pelas autoridades autônomas, que afirmam: “Estão agredindo sem algum motivo ou razão, pensam que com isso vamos nos render ou nos vender entrando para suas fileiras de ladrões, criminosos e traidores encabeçados por eles. Se é assim que pensam, estão muito enganados, porque as injustiças que nos fazem, ao invés de nos fazer pensar em render, nos enchem de coragem, raiva e indignação”.

“Já chega de tantas provocações e injustiça contra os nossos” – aludem às autoridades dos governos autônomos – “Nós os faremos saber que não vamos desistir, e os advertimos que, se as provocações não cessarem, tomaremos medidas mais sérias”, advertiu a Junta do Bom Governo, com sede em La Realidad.

Disparos e ameaças se deparam com a resistência zapatista de Moisés Gandhi

As recentes agressões vão desde ataques armados até à ameaça de despejo das terras, desocupações e roubo de suas moradias. No ejido [*] Moisés Gandhi, do município autônomo Lucio Cabañas, pertencente ao caracol de Morelia, os integrantes da Organización Regional de Caficultores de Ocosingo (ORCAO) atacaram com armamento pesado 59 bases de apoio do EZLN, com o objetivo de despejá-las de suas terras.

A Junta do Bom Governo da região conta que, no dia 2 de agosto, vinte integrantes da ORCAO, quatro deles armados, entraram nas terras recuperadas de El Carmen e atiraram a 60 metros de distância. Os disparos eram acompanhados de gritos ameaçadores, dizendo que “a terra é deles, e que não querem os rancheiros, porque nossos companheiros venceram o grupo, que nos serviu para nossa resistência”.

Os zapatistas relatam que antes dos tiros e ameaças com armas brancas “os 59 companheiros começaram a sair”, e depois também se retiraram os da ORCAO. Posteriormente, em 6 de agosto, “novamente os 59 companheiros foram trabalhar no mesmo local de trabalho e chegaram às sete da manhã para limpar o estábulo do gado coletivo”. Duas horas depois, entraram três grupos da ORCAO coordenados por Tomas Lópes Santiz, diácono principal, Pedro Velásquez Hernández, ex-chefe da área eclesiástica de Abasolo, Manulel Santiz Hernández, ministro da igreja de Abasolo, Antonio Gómez Lopez, base da ORCAO de Abasolo, Adolfo López Jiménez, Cesar López Jiménez, Alonso López Gomez, ex-chefe da área eclesiástica de Abasolo e membro da propriedade Los Limares, Sebastián López Gómez, do coral da igreja de Abasolo, e Pedro López Gómes, todos eles, denunciam, “vinham armados e coordenando as 91 bases da ORCAO”.

Os agressores traziam armas calibre 22, pulverizadores e 68 pessoas carregavam armas brancas. Começaram a atirar a uma distância de 100 metros, 50 tiros, assim, “os companheiros se retiraram de seus locais de trabalho enquanto os ORCAOS começaram a pulverizar um quarto do estábulo com herbicidas, enquanto os armados estavam posicionados nos troncos das árvores, observando se nossos companheiros não regressariam”.

Em 7 de agosto de 2012, com denúncias contínuas, os 59 zapatistas retornaram à terra “porque não tiveram medo das ameaças e não terão medo, pois nos recuperamos no sangue dos companheiros mortos em 1994 no levantamento armado”. E, um dia depois, foram agredidos novamente pela ORCAO.

A explicação de toda esta série de agressões é a seguinte: “A coragem dos três níveis do mau governo é porque não está disposto a divulgar suas manobras, por isso organiza pessoas ignorantes como forma de injetar seus projetos de morte em nossos territórios autônomos, formados por nossos povos, onde também governamos de nossa maneira, tal como o povo que queremos. Nós continuaremos lutando e resistindo por nossas terras frente às ameaças, mesmo sabendo que por trás desta intimidação estão os três níveis do mau governo. Nós não lutamos obrigados e nem manipulados por outros personagens, como estes representantes locais, regionais, assessores da ORCAO e dos supostos governantes federal, estadual e municipal, que mantêm sob pressão e ameaça esta gente pobre e ignorante, obrigando-os a receber projetos miseráveis e obrigando-os a fazer provocações”.

Os zapatistas deixam claro que os integrantes da ORCAO são somente “uns ajudantes, porque os verdadeiros atores intelectuais se chamam Felipe Calderón e Juan Sabines Guerrero, pois são eles que estão executando os projetos de guerra, por milhões de pesos que injetam em nossos territórios”, advertem.

Durante anos, recordam as autoridades zapatistas, “são implementados milhões de pesos querendo nos destruir para dar-lhes nossa terra, acabar com nossos costumes, nossa língua, mas, por ver o mundo como zapatistas, é que continuamos lutando e resistindo a todo custo”.

A estratégia governamental que não parou nem um minuto em 19 anos, apesar de seu fracasso, é a de oferecer projetos a outras comunidades “para desmoralizar os zapatistas”. Mas estes advertem em seu recente comunicado: “se enganam, talvez zombem quando não respondemos a suas provocações; nós sabemos somente que estamos construindo vida, e não morte, como fazem os maus governos… Nem com seus milhões de pesos podem nos eliminar, muito menos com uma pequena organização como a ORCAO. Nós, como zapatistas, somos lutadores de coração humilde e simples, construtores da paz justa, construindo a melhor forma de viver em nossas terras mexicanas, onde nós buscamos o bem-estar pessoal. Nós não somos provocadores nem agressores, muito menos gangues criminosas, somos trabalhadores e pessoas de paz”, assinam.

Finalmente, advertem: “sabemos autogovernar, e por isso decidimos que estamos dispostos a defender a todo custo o que é nosso direito”.

Projetos para dividir as comunidades: “Pena destes irmãos que se deixam enganar”

A segunda denúncia de agosto é referente à pretensão de saquear um depósito de café na comunidade de Veracruz, anexo do campo de San Carlos, município autônomo de São Pedro de Michoacán (oficialmente Las Margaritas), muito próximo de La Realidad, sede da Junta do Bom Governo da região.

Fotos de Ricardo Trabulsi

Desde antes do levantamento armado de 1994, foi construído no anexo Veracruz um depósito de 30 por 14 metros para a compra e armazenamento de café, como parte de um projeto da Unión de Ejidos de La Selva. Este depósito foi recuperado pelos zapatistas em primeiro de janeiro de 1994, e foi inclusive símbolo da resistência destes povos, ao ser um dos primeiros projetos que se levantou com a união de quatro municípios autônomos: San Pedro de Michoacán, Tierra y Libertad, Libertad de los Pueblos Mayas e General Emiliano Zapata, no preâmbulo do que mais tarde ficou conhecido como regiões autônomas.

Agora ameaçam removê-los para promover projetos do governo, como parte da política de contrainsurgência que os diferentes governos têm aplicado para dividir os povos indígenas zapatistas. Luis H. Álvarez, encarregado da política contrainsurgente, para quem qualquer indígena de Chiapas é um zapatista suscetível de ser comprado (quando não tem idéia nem do território rebelado, nem de sua conformação e seus alcances), se atreveu inclusive a escrever um manual apresentado e elogiado por Felipe Calderón.

A Junta do Bom Governo “Hacia La Esperanza”, pertencente à região fronteiriça da floresta, com sede em La Realidad, explicou que o depósito em questão era parte de um projeto autônomo em que se vende mercadoria por atacado e varejo [por grosso e a retalho], e que “desde há muitos anos o estamos ocupando, porque, sem dúvida alguma, este depósito diz respeito a nós, como zapatistas”.

O problema aqui é o mesmo, e continua o manual de Luis H. Álvarez: “Acontece que um grupo de pessoas que vive neste anexo, impulsionado por suas autoridades e outras pessoas, vêm se organizando com a finalidade de nos tirá-lo. Este grupo não tem nada a ver com esta construção, e o que estão fazendo é nos provocar sem direito nem razão alguma, porque nós não estamos tirando nada de ninguém, muito menos deles”. Acontece, explicam as autoridades autônomas, que agora “querem ocupar o depósito, porque serão beneficiados com dois projetos que os maus governos ofereceram […] e como as autoridades da Junta do Bom Governo disseram que não irão permitir que ocupem, que se resolvam com quem lhes dará o projeto, os advertiram que não nos provoquem como zapatistas por causa destas migalhas com que o mau governo os presenteia”.

No entanto, em 6 de agosto passado, um grupo de 45 pessoas do Partido Verde Ecologista e do Partido da Revolução Democrática, “chefiados por Rafael Méndez López, agente municipal, Iván Méndez Domínguéz, vice do agente municipal, Alfredo Méndez e Marín Méndez Santis, se dirigiram ao depósito e o cercaram com arame farpado”, fechando a entrada a fim de evitar a passagem. O que não conseguiram, já que os zapatistas reabriram a entrada.

Dias depois, em 11 de agosto, um grupo de 45 pessoas cortou a energia elétrica do depósito e da casa de uma base de apoio zapatista. A resposta pacífica do governo autônomo foi refazer a instalação elétrica: “Sabemos perfeitamente que estes irmãos não são nossos inimigos, mas desgraçadamente, por não entenderem, por não pensarem, se prestam a fazer coisas (provocações) sem analisar se isto lhes fará bem ou mal, sem medirem as consequências que este fato pode trazer”, assinalam.

A junta do bom governo de La Realidad, tal como a de Morelia, sabe claramente onde está o inimigo: “Pena destes irmãos que se deixam enganar, que se deixam manipular por algumas pessoas que por sua vez são manipuladas e assessoradas por seus maus governos. É injusto que estas pessoas que se organizam para provocar submetam os demais por meio de sanções ou ameaças a quem se nega fazer, porque sabemos que existem irmãos que sabem pensar, que sabem analisar, mas, por medo, se submetem, e assim é como se convertessem em cúmplices de quem está organizando estas ações”.

Foto de Ricardo Trabulsi

E acrescentam: “É uma estratégia dos governos corruptos, que são os atores intelectuais causadores destes problemas: colocar seus projetos para dividir a gente e criar problemas entre os campesinos e indígenas, ou intimidar através destas ações provocativas nosso companheiro para que ele deixe de lutar. Mas, o que nós dizemos a estas autoridades corruptas e a este grupo de pessoas que tem se organizado para executar suas más ações, assim como também às autoridades dos três níveis de governo é: a Felipe de Jesús Ruiz Moreno, presidente municipal de Las Margaritas, a Juan Sabines Guerrero e a Felipe Calderón Hinojosa, que nós jamais vamos permitir estas provocações, vamos nos defender com todos os meios frente a todos os projetos que afetam nossas companheiras e nossos companheiros zapatistas.

San Marcos Avilés em vias de desapropriação

Constantes agressões, roubos e ameaças de expulsão é o que enfrentam cotidianamente as bases de apoio zapatista da comunidade de San Marcos Avilés, município de Sitalá, na região tzeltal, situação que leva a realizar uma campanha nacional e internacional de solidariedade.

“Tudo o que semeamos é explorado pelos partidos políticos. A atual situação das famílias resistentes acontece porque, para as autoridades do governo de Felipe Calderón e Juan Sabines Guerrero, o que estamos reclamando não tem importância. Até que eles começassem a entrar nas casas. Alguns tinham cavalo, gado, tudo isso antes da chegada do nosso sofrimento. Alguns tinham cimento, chapas, barrotes para construir suas casas, barracas, um carro. Levaram tudo. Além disso, não podemos gozar os frutos do nosso trabalho com os nossos filhos, já que quem os consome são eles, os (dos) partidos políticos PRI, PRD e PAN”, explicaram os zapatistas em um vídeo.

Nesta comunidade, foi a abertura de uma escola que motivou as recentes agressões e as ameaças de despejo: “Nós damos muita importância à escola. Queremos que exista uma boa educação para nossos filhos, uma boa aprendizagem, um bom exemplo. Vemos que o governo tem suas escolas, mas a educação não é boa e não ensinam bem nossos filhos, sendo que o que ensinam não tem nada a ver conosco. Por isso abrimos nossa escola. Isto deu pretexto para os oficiais agredirem as famílias zapatistas e expulsá-las em 2010, logo em 16 de agosto deste ano, quando começaram as aulas.

Nos dias seguintes, um companheiro que mora lá em baixo foi intimado pelas autoridades oficiais. Quando se apresentou junto com outro companheiro na agência oficial, escreveram um documento e tentaram fazê-los assinar, com o intuito de não haver bases de apoio do EZLN no local. Nossos companheiros se negaram. As autoridades e os agressores os prenderam e depois quiseram mandá-los para a cadeia”.

“Não estamos cometendo nenhum crime. Temos direito de lutar para que nos levem em consideração. Liberdade, justiça e paz, é isso que estamos pedindo. Não temos medo porque sabemos com clareza o que estamos buscando e como queremos viver. Homens, mulheres, jovens e crianças estão em luta. Assim, queremos que fique conhecido o crime do mau governo aqui em San Marcos Avilés”, advertem os indígenas rebeldes.

Prisão política para os zapatistas

As agressões contra as bases de apoio do EZLN incluem a prisão política. Não são poucos os que foram presos desde 1994 e que conseguiram sua liberdade, em primeiro lugar, porque não haviam cometido nenhum crime, em segundo lugar, porque foi muito grande o repúdio internacional causado por estas prisões.

Neste momento, Francisco Lópes Santiz, comerciante e camponês tzeltal de Tenejapa, base de apoio, está preso no presídio de San Cristóbal de las Casas, acusado de um assassinato, o qual já está comprovado que não cometeu.

Detido desde 4 de dezembro, em 22 de março foi notificado que deixaria a prisão “mas, justamente quando faltavam alguns metros para sair do presídio”, as autoridades autônomas zapatistas foram denunciadas e foram acionadas “as máquinas de comunicação (celular) dos que supostamente o haviam libertado, dando a notícia de que Francisco não poderia sair, porque tinha cometido outro delito federal mais grave: ‘porte de arma de fogo exclusivo do exército’ e, com isto, sua liberação foi impedida”.

“Nosso companheiro Francisco foi falsamente acusado e detido injustamente, nada tem a ver com o ocorrido em Banavil, porque não presenciou nem participou dos fatos ocorridos, dos quais é acusado. Francisco não é assassino e nem tem arma, [permanece preso] somente porque as pessoas do PRI assim o acusam falsamente”, assinalou por sua vez a Junta do Bom Governo de Oventik.

O governador Sabines, já no final do mandato, se nega a responder pelas violações dos direitos humanos cometidas durante seu governo, e mantém tanto Francisco quanto o professor Alberto Patishtán como reféns políticos do final do sexênio.

“O governo não quer liberá-lo porque é base de apoio do EZLN. Sabemos que ele não cometeu um crime. Já apresentamos testemunhos (de sua inocência), mas o governo o persegue por lutar pela justiça, democracia e liberdade”, denunciam os familiares de Francisco.

Solidariedade e acompanhamento nacional e internacional

Foto de Ricardo Trabulsi

Desde 1994 os zapatistas têm apelado não somente para o apoio e a solidariedade por sua causa e repúdio contra as agressões, mas também para a construção de um projeto comum que enfrenta e questiona o poder pela base.

Há mais de 18 anos do levante e antes dos ataques recentes, circulam vários apelos de solidariedade para com o EZLN, seus povos e um projeto de vida para compartilhar com o mundo a partir da autonomia e seu direito de decidir o próprio destino.

Em 12 de agosto, a Brigada de Observación y Solidaridad con las Comunidades Zapatistas, iniciativa da Red Contra la Represión y por la Solidaridad, iniciou um percurso pelos territórios rebeldes “para contribuir com nossa parte para ajudar a documentar o progresso da autonomia zapatista, e que permita ecoar as denúncias feitas pelas comunidades rebeldes contra os maus governos e todos os partidos políticos, particularmente o do desgovernador do estado, Juan Sabines Guerrero, e o Partido da Revolução Democrática.
Integrantes de A Outra Campanha e ativistas do Chile, do Brasil, do Estado Espanhol e da Alemanha se distribuíram nos caracóis de La Realidad, La Garrucha, Morelia e Roberto Barrios, sob o princípio de que “se tocam os zapatistas, tocam a todos […] Apoiamos o direito de autodeterminação que nossas companheiras e nossos companheiros realizam por meio das Juntas de Bom Governo, apoiamos sua luta pela defesa de seus territórios e da criação da autonomia. A coragem que nos transmitem está muito longe de qualquer rendição, pelo contrário, sua indignação perante o que atualmente também sofre grande parte da população global reflete a necessidade de aprender diferentes experiências de luta, de história e de possível criação de pontes solidárias para que fatos como os que estão existindo não fiquem impunes, e sintam o apoio de nós, que estamos em baixo e à esquerda, criando juntos este outro mundo possível e mais necessário que nunca”, assinalou a Red no início de seu percurso pela floresta, Los Altos e o norte de Chiapas.

Por sua vez, o Movimiento por Justicia del Barrio lançou de Nova York a campanha “Eco Mundial em Apoio a@s Zapatistas: Justiça e Liberdade para San Marcos Avilés e Sántiz Lópes”, com a convocatória para a criação de comitês de La Palabra Verdadera, para promoção e difusão do que ocorre nas comunidades rebeldes em Chiapas.

“A primeira etapa”, explicam na convocatória, “durará todo o mês de agosto e tem como objetivo principal a intensa promoção da campanha e ampla difusão de informação entre nossas comunidades, bairros, campos, redes e países respectivos, sobre a situação atual de absoluta injustiça que se enfrenta em San Marcos Avilés e o caso de prisão injusta de Francisco Sántiz López”.

“Sob a liderança da comunidade de San Marcos Avilés e da Junta do Bom Governo, a meta desta primeira etapa é preencher de consciência os corações de todas as pessoas possíveis, e que o mundo conheça a violência constante por parte do mau governo e a resistência do povo digno. Depois desta etapa intensa de educação popular, virá uma etapa de ação mais direta”, explicam os convocadores, que já tiveram resposta do México, Índia, Portugal, Inglaterra, Turquia, Panamá, África do Sul, Colômbia, Alemanha, Itália, Austrália, Brasil, Equador, Canadá, Uruguai, Estado Espanhol, Argentina, França, Chile e Estados Unidos.

[*] NT: Os ejidos são propriedades comunais da terra, normalmente de posse de pueblos indígenas e camponeses, as quais foram fruto da Revolução Mexicana iniciada em 1910.

Tradução do Passa Palavra.

***********

NOTICIA URGENTE….. 

URGENTE; Communidade em Chiapas, no Mexico, ameacada com ataque iminente, despejo e morte. 

Organizacoes de direitos humonos, alertam que a populacao do aproximadamente 200 partidarios Zapatistas, na comunidade indigena de San Marcos Aviles estao sob risco serissimo de ataques violentos e despejo.  As ameacas feitas contra eles tem aumentado rapidamente desde as eleicoes mexicanas em julho.

Os agressores sao partidarios do governo organizados em grupos de estilo paramilitar, fortemente armados com espingardas, rifles e pistolas e estao ameacando especificamente mulheres e criancas.  Eles ja confiscaram as terras, plantacoes e gados desta comunidade, deixando-os sem fornecimento de alimentos.  Observadores relatam que e uma situacao de assedio e que as familias estao altamente traumatizadas.

Em 2010, 170 homens, mulheres e criancas foram forcados a se refugiarem nas montanhas durante a estacao de chuvas por 33 dias.  A situacao atual e aquela em que se teme uma nova tragedia a qualquer momento.  Os agressores estae ameacando sequestrar autoridades da comunidade and expulsar o resto da populacao.  Aqueles que denunciarem esse assedio, sao ameacados de aprisionamento.

Em vista desta situacao alarmante, um apelo urgente de apoio foi lancado.

Para maiores informacoes, por favor clique aqui:

https://sanmarcosavilesen.wordpress.com

Para assistir um video comovente, por favor visite:

http://www.youtube.com/watch?v=rY-8CBt3Vkg

Os partidarios Zapatistas encontram suas casas saqueadas quando retornam a elas.

Como um resultado direto de afirmar seu direito legitimo a educacao, eles nao tem alimentacao, moradia ou agua para seus filhos.

——————— 

 

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s